Monday, 25 August 2014

Morte ao Sol


Como um vento de furacão

como um brilho na escuridão, 
para sempre suspenso do chão, 
tens-me como a um irmão.

Mais do que religião
magia em jeito de canção
um grito para a imensidão
um deserto, um sertão

E apareces como uma manhã
cheiro fresco a maçã
olhos cor de avelã
verdadeira alma irmã

A tua voz é sopro forte de emoção
coice de garanhão
espada quente na mão,
apontada ao meu coração

Para mim nunca serás em vão
em mim tens a fidelidade de um cão
muitos sims quase nunca um não.
uma ferida mortal à solidão.

No comments:

Post a Comment