Thursday, 26 February 2015

Manifesto

Se magia é manifestar então escrever é seguramente um passo de mágica, e os que criam magos são, e, porque criar não é só escrever, suspeito que o mundo como o desconhecemos é sem dúvida um reino mágico.
Nós somos máquinas criadoras que trazem as fornalhas do universo a arder por dentro, e todos os momentos são lá forjados. Não somos mais do que isso, centelhas criativas, que em todos os instantes desdobram-se enchendo esta tela vazia chamada vida.
Às vezes reflicto na causa das minhas assombrações, das nuvens negras que pairam sobre a minha cabeça (se fosse só às vezes!!!) e não chego a lado nenhum, as nuvens só aumentam de tamanho, mas se em vez de passar tempo a ver televisão (a qual não vejo) ou mesmo até a ouvir música ou até a pensar nos porquês e criar algo imediatamente, não a pensar em criar mas agir logo sem esperar, não há melhor sensação no mundo do que ver algo a ganhar forma vindo dos reinos dos invisíveis, e ao fazê-lo sinto-me terreno, sinto que o vento já não me leva, sinto-me assente e firme, envolto pelo silêncio que cobre o universo, sinto-me abraçado e acarinhado pelo momento presente, na simplicidade de um acto encontramos a iluminação, a razão, o porquê, não é preciso muito, neste caso um portátil e electricidade, mas papel e caneta servem o mesmo propósito, e às vezes melhor por ser mais imediata a forma de conjurar palavras, não tão prático na hora de partilhar, infelizmente.
Pergunto-me por vezes se escrevo mesmo por necessidade ou por aprazer o meu ego com o reconhecimento de outrem, e eis que entra, nesta questão, a minha Carta Astrológica: Eu tenho 4 planetas na casa número 6 ( Sol, Lua, Mercúrio, Urano), sendo esta casa a de serviço ao mundo, e quem tem muitos planetas nesta casa geralmente tem problemas em vincar no mundo, deixam-se ficar para trás, escondem-se da luz da ribalta, e só fazem algo se sentirem que deveras é útil o serviço prestado, e como é que se sabe que o que se faz é útil? Quando reconhecimento é demonstrado. Há, deveras, uma grande lição a aprender, e este texto foi construído com base nessa lição que é a de pôr o pensar de lado a descansar num canto escuro, e simplesmente criar.

Escrito por um mago
da classe das letras
que por entre as gretas,
do véu que nos separa
e que nos prende à samsara,
espreme seus finos dedos
e rouba os segredos
ao outro lado.




2 comments:

  1. Penso que devemos sair do mero pensar para a ação criadora do agir. E é como diz: "e este texto foi construído com base nessa lição".
    Obrigado por compartilhar conosco este texto profundamente reflexivo. Que façamos, todos nós, um bom proveito de sua leitura.
    Um grande abraço, Jorge!

    ReplyDelete
    Replies
    1. É simplesmente um prazer partilhar!!
      Obrigado mais uma vez por ter lido.
      Grande abraço, E.P.

      Delete