Thursday, 10 November 2016

Enfeitiçado

Ao nascer fui enfeitiçado,
A este estado condenado
De na terra andar perdido,
De mim estar separado.
Todo o trilho seguido,
Toda a busca por sentido;
Sempre barrado.
E assim, partido,
Vou, ao mesmo tempo,
Para tudo quanto é lado.
O que digo é esquecido,
O que faço ignorado,
Tudo o que exprimo é perseguido
Até ser silenciado.
O meu fogo tem morrido
Nas bocas que tenho beijado,
O exterior foi-me interdito,
O espirito armadilhado.
Mas sinto-me protegido,
De alguma forma guiado,
Em tudo vejo o sagrado, escondido,
Mas tenho que permanecer calado.

No comments:

Post a Comment