Wednesday, 9 November 2016

Entre o pensar

Entre o pensar
Ouço vozes sussurrantes,
A brisa morna a soprar
Palavras ainda distantes.

Um chiar, um burburinho,
Um zumbir a crescer no peito,
Uma maré que sobe de mansinho
E que à lua oferece leito.

Um festim clandestino
Onde às vezes sou convidado,
Um concílio divino
No meu próprio paladino, encerrado.

Neste corpo, senhorio,
Neste salão assombrado,
Sinto, provo, cheiro e crio
Do rumor um canto adaptado.

Porque dessa ladainha,
Gosto de viver embebedado,
E mesmo fora da linha,
Tanto faz, é de bom grado!

No comments:

Post a Comment